Calote da Fundação ABC!

Descaso contra médicos já provoca defasagem salarial de 10% e atual gestão do Sindmed ABC vai à Justiça

As regras estão em xeque. As gestões de saúde pública no Brasil, sejam em esfera municipal, estadual ou federal, já procuram dividir as suas responsabilidades gerenciais e operacionais com terceiros. Em tempos de recrudescimento do Estado mínimo, o planejamento, a implementação e a avaliação da política pública de saúde tendem a não ter um controle exclusivo do Estado. Quando esse movimento ganha força percebemos novas perspectivas, entre as quais a omissão de responsabilidades por parte dos gestores envolvidos — uma verdadeira batata quente nas mãos dos que comandam o nosso destino.

Prova disso é o que ocorre no Grande ABC, onde a Fundação do ABC (FUABC) se consolida como o canal indutor entre prefeituras e profissionais de saúde, em uma parceria que promove mais de 30 especialidades médicas. Essa relação faz com que a FUABC esteja à frente de várias unidades públicas de saúde, com base em convênios estabelecidos com as prefeituras de Santo André, São Caetano do Sul, Mauá e São Bernardo do Campo, sendo que esta cumpriu os acordos. Mas em que medida isso pode causar transtornos para nós médicos(as)?

O não cumprimento das Convenções Coletivas de Trabalho, que perdura por 3 longos anos — desde 2017 —, provocou uma sensação de terra arrasada para os servidores médicos que trabalham na FUABC. O acordo coletivo que abriria espaço para a busca de entendimentos e instrumentalização de unidade virou ilusão. Quando a classe médica é empurrada para o epicentro do fogo cruzado entre prefeitos e Fundação do ABC, que se acusam mutuamente pela responsabilidade das nossas garantias, só nos resta mesmo redobrar esforços para conscientizar a todos sobre o mote do problema. O fato concreto é que o calote já perdura há quase meia década, com destaque para os municípios de Santo André, São Caetano do Sul e Mauá, comandados pelos prefeitos Paulo Serra, José Auricchio Júnior e Atila Jacomussi, respectivamente. As gestões se mostram refratárias a entendimentos que apontem soluções, inclusive para casos de pejotização.

O descumprimento de acordos coletivos tem como alvo justamente quem está na linha de frente do cuidado, e cabe a nós, profissionais médicos, reivindicarmos que nossa categoria seja valorizada e protegida contra todo arranjo de precarização do trabalho, em que a ênfase econômica prevalece sobre o humano.

Não aguentamos mais promessas, ilusões e procrastinação. Continuaremos tomando todas as providências jurídicas necessárias até que o cumprimento do acordo seja efetivado. Vale lembrar que nesse período sempre estivemos abertos ao diálogo e tentando negociar, porém lamentavelmente mesmo durante os cinco meses de pandemia da Covid-19, as prefeituras citadas e a FUABC não se solidarizaram com os médicos — que permanecem atuando em seus postos com bravura — e se mostraram inflexíveis na maior parte do tempo. Seguiremos atentos e firmes nessa luta, até que todos os médicos sejam devidamente valorizados.

42 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Vagas para Médico do Trabalho

Santo André Clínica MEDNET Av. Padre Manuel da Nobrega 170 - Bairro Jardim Horário das 7:00 as 12:00 Valor : 110,00 hora Para informações entrar em contato com: Juliana (11) 9.9727-5110 (whats)

Campanha Salarial 2020 - Sinamge

Após intensa negociação com o Sinamge (Sindicato Nacional das Empresas de Medicina de Grupo), o Sindmed Grande ABC assinou a Convenção Coletiva de Trabalho 2020 e garantiu reajuste salarial de 2,94% a

Vagas para plantonistas em Francisco Morato

A Santa Casa de Misericórdia de Francisco Morato SP precisa de médicos plantonistas. PS - Baixa complexidade Clínico geral Mais informações entrar em contato por WhatsApp: 1197952-1870 Valor líquido