Lúpus: Uma doença desconhecida, porém comum

O dia 10 de maio serve como data de mobilização para conscientizar a população sobre a doença autoimune, que se tornou comum, mesmo sem as pessoas conhecerem

A borboleta foi escolhida como símbolo do Lúpus, pois o formato da manchas nas "maças" do rosto, característico da doença, se assemelha ao da borboleta.

No dia 10 de maio dedicamos atenção à uma doença pouco conhecida, mas que apresenta um alto número de casos, o Lúpus. A data tem grande importância mundialmente para difundir informações sobre a enfermidade e alertar as pessoas sobre os sintomas e voltar atenção aos pacientes. O lúpus é uma doença autoimune que aparece em maioria nas mulheres. Mesmo não tendo cura, pode ser controlada através de um contínuo acompanhamento médico.

Segundo a Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), as estimativas mostram que no Brasil possa existir cerca de 65.000 pessoas com lúpus, sendo a maioria mulheres. A doença é inflamatória crônica e tem origem autoimune, com sintomas que podem surgir de forma lenta e progressiva em diversos órgãos. Pode demorar meses ou surgir mais rápido, em semanas. Isso varia de acordo com fases de atividade e de remissão.


Não é uma doença exclusiva a um perfil, o lúpus pode ocorrer em pessoas de qualquer idade, raça e sexo, porém costuma aparecer mais entre 20 e 45 anos, em mulheres e com maior frequência em pessoas mestiças e afro- descendentes. Mesmo não tendo sua causa conhecida, os médicos sabem que fatores genéticos, hormonais e ambientais fazem parte de seu desenvolvimento. Logo, pessoas que nascem com susceptibilidade genética desenvolvê-lo, em algum momento, após conviver com fatores ambientais, como irradiação solar, infecções virais ou por outros micro-organismos, podem apresentar alterações imunológicas.


Para os reumatologistas brasileiros, no País a doença pode ser considerada razoavelmente comum, já que dados da SBR apontam que uma a cada 1.700 mulheres no Brasil podem ter a doença. A efeito de comparação, em uma cidade como o Rio de Janeiro esse número equivaleria 4.000 pessoas com lúpus e em São Paulo a aproximadamente 6.000.


A doença

A SBR esclarece que são reconhecidos dois tipos principais de lúpus: o cutâneo, que se manifesta apenas com manchas na pele que costuma ser avermelhadas ou eritematosas, principalmente nas áreas que ficam expostas à luz solar (rosto, orelhas, colo e nos braços) e o sistêmico, no qual um ou mais órgãos internos são acometidos.


Devido ao fato de ser uma doença do sistema imunológico, responsável pela produção de anticorpos e organização dos mecanismos de inflamação em todos os órgãos, quando a pessoa tem lúpus ela pode ter diferentes tipos sintomas em vários locais do corpo. Alguns são comuns, como a febre, emagrecimento, perda de apetite, fraqueza e desânimo. Outros, mais específicos de cada órgão como dor nas juntas, manchas na pele, inflamação da pleura, hipertensão e/ou problemas nos rins.


Causa

A principal causa é o desequilíbrio na produção de anticorpos que reagem com proteínas do próprio organismo e causam inflamação em diversos órgãos como na pele, mucosas, pleura e pulmões, articulações, rins etc.). Dessa maneira, a Sociedade Brasileira de Reumatologia entende que o tipo de sintoma desenvolvido, depende do tipo de autoanticorpo que a pessoa tem. Como o desenvolvimento de cada anticorpo se relaciona às características genéticas de cada pessoa, cada paciente com lúpus tende a ter manifestações clínicas específicas e pessoais.


Sintomas

Podem ocorrer diferentes sintomas, é bastante comum apresentar manifestações gerais como cansaço, desânimo, febre baixa (raramente alta), emagrecimento e perda de apetite. Essas podem ocorrer devido à inflamação na pele, articulações (juntas), rins, nervos, cérebro e membranas que recobrem o pulmão (pleura) e o coração (pericárdio).

Outras manifestações podem ocorrer devido à diminuição das células do sangue (glóbulos vermelhos e brancos), e por conta de anticorpos contra essas células. Esses sintomas podem surgir isoladamente, ou em conjunto e podem ocorrer ao mesmo tempo ou em sequência. Crianças, adolescentes ou mesmo adultos podem apresentar inchação dos gânglios (ínguas), que geralmente é acompanhada por febre e pode ser confundida com os sintomas de infecções como a rubéola ou mononucleose.

As manifestações clínicas mais frequentes são: Lesões de pele, queda de cabelos, dores nas articulações, inflamação das membranas que podem se manifestar como dor no peito, inflamação nos rins, alterações neuro-psiquiátricas e alterações nas células do sangue.


Diagnóstico

O diagnóstico é feito através do reconhecimento pelo médico de um ou mais dos sintomas acima. Ao mesmo tempo, como algumas alterações nos exames de sangue e urina são muito características, eles também são habitualmente utilizados para a definição final do diagnóstico.


Com informações da Sociedade Brasileira de Reumatologia

236 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Vagas para Médico do Trabalho

Santo André Clínica MEDNET Av. Padre Manuel da Nobrega 170 - Bairro Jardim Horário das 7:00 as 12:00 Valor : 110,00 hora Para informações entrar em contato com: Juliana (11) 9.9727-5110 (whats)

Campanha Salarial 2020 - Sinamge

Após intensa negociação com o Sinamge (Sindicato Nacional das Empresas de Medicina de Grupo), o Sindmed Grande ABC assinou a Convenção Coletiva de Trabalho 2020 e garantiu reajuste salarial de 2,94% a